Hunter GE Network (Multi Tech)

terça-feira, 1 de junho de 2010 20:00:00 Categories: Access Google Earth Hunter
Rate this Content 1 Votes

Já aprendemos alguns conceitos importantes para plotagem dos dados da rede no Google Earth. Hoje vamos aperfeiçoar um pouco nosso aplicativo (Hunter GE Network), a fim de conseguir um resultado mais profissional e que permite trabalhar com layers de várias tecnologias.

 

 

Além disso, vamos aprender o que são estilos, e como os mesmos são usados de forma simples para alcançar resultados surpreendentes, não só para a finalidade que veremos hoje, mas também na criação de mapas temáticos em qualquer que seja a aplicação – Drive Test, KPI, Parâmetros, entre outros.

 

Objetivo

A partir de uma tabela com informações da nossa rede, plotar os dados de sites e setores, em camadas independentes –mostrar uma tecnologia apenas, ou somente as desejadas – e diferenciadas através de atributos como tamanho, imagens e/ou cores, no Google Earth.

Nota: Na grande maioria dos tutoriais temos os arquivos relacionados, e que são enviados para os Assinantes.

  • Se você é um Assinante, por favor verifique em seu e-mail o arquivo recebido para este tutorial, e utilize o suporte para qualquer dúvida ou problema que encontrar.
    • Blog_012_Hunter_GE_Network_(Multi-Tech).zip.
  • Se você é um Membro comum e tem acesso apenas ao tutorial escrito, aprenderá sempre conceitos muito importantes que com certeza vão lhe ajudar em seus próprios desenvolvimentos. Leia e comprove em cada novo tutorial.
    • Se você deseja contribuir de alguma forma, a maneira mais simples é tornar-se um Assinante.

A nossa audiência vai de estudantes a profissionais experientes. Por isso pedimos um pouco de compreensão e tolerância se alguns dos conceitos hoje apresentados forem básicos para você. Além disso, todos os tutoriais, códigos e programas estão num processo contínuo de edição. Isso significa que se encontrarmos algum erro, por exemplo, de gramática ou ortografia, tentaremos corrigi-lo o mais rápido possível. Também gostaríamos de receber o seu feedback, nos informando de erros encontrados ou passagens que ficaram confusas e merecem ser reescritas.

 

Estrutura de Arquivos

Estamos fazendo alteração num módulo já existente - GE Network (1), por isso a estrutura de diretórios já está criada. Também usaremos o diretório icon (2), porém este é um diretório comum a diversos outros módulos Hunter GE. Se você vem acompanhando os tutoriais, já deve ter uma estrutura como a mostrada abaixo.

 

Rede Multi-Tecnologia

Dificilmente você trabalhará apenas com uma tecnologia em sua rede. E mesmo que trabalhe apenas com uma tecnologia, em breve deverá surgir um nova, e você fatalmente vai trabalhar com mais de uma. Essa é a nossa área, sempre evoluindo, sempre surgindo novas tecnologias.

As tecnologias mais comuns atualmente são GSM, CDMA e UMTS. Lembre-se que iniciamos nossa ferramenta com dados de exemplo para a tecnologia GSM. Hoje, vamos incluir dados UMTS, e assim ser possível demonstrar o que pretendemos.

 

Já mencionamos anteriormente porque optamos por representar os setores em forma de linha ou seta, ao invés de símbolo como uma pétala ou cone. Relembrando, principalmente porque nos permite, quando desejado, visualizar todas as tecnologias de uma só vez, identificando por exemplo, quando o azimute do setor de uma tecnologia está diferente do azimute do mesmo setor em outra tecnologia. De qualquer forma, acreditamos que será mais fácil de você entender isso depois que praticar um pouco.

 

Estilos

O que é um estilo? Bom, se você vem acompanhando os tutoriais, deve recordar que utilizamos estilo normal e highlight para mostrar as informações do setor quando passamos o mouse na ponta do mesmo. Mas tudo bem, mesmo que não se lembre, vamos ver o que é isso, pois estilos vão muito além do exemplo onde os usamos, e são parte muito importante de vários módulos da Ferramenta Hunter.

Podemos entender estilos como conjunto de características. Por exemplo, quando falamos que alguém é americano, naturalmente você entende que ele fala inglês como língua nativa, faz compras utilizando dólar, etc. Já se dissemos que outra pessoa é francesa, já sabemos que a língua é o francês, a moeda o euro, e assim por diante.

 

No nosso caso é mais ou menos a mesma coisa, só que agora estamos lidando com texto (tamanho, cor), linhas (espessura, tipo, cor), e todos aquelas propriedades que tivermos a nossa disposição, dependendo da ferramenta que estivermos utilizando.

 

Estilos no Google Earth

Cada aplicativo tem uma forma de representar os seus estilos. No caso do Google Earth, os estilos são definidos através da sintaxe XML, na criação do arquivo KML.

 

Observe que os estilo são definidos de duas formas: normal e highlight, ou seja, sem o mouse por cima, e com o mouse por cima.

Nos estilos definimos os estilos das propriedades. No exemplo acima, definimos o estilo all_yellow, que significa tudo amarelo. Assim, quando aplicamos esse estilo a algum elemento, ele fica amarelo. Mas vai ficar mais fácil de entender na prática.

 

Dados para geração do Arquivo de Saída

Além dos dados fixos ou pré-definidos, como legenda e estilos, existem os dados variáveis, que são as informações da nossa rede, como antena, azimute e tilts. Vamos criar quatro camadas:

  • BTS GSM
  • Setores GSM
  • BTS UMTS
  • Setores UMTS

Naturalmente, precisamos ter quatro consultas, as quais iremos chamar através do código, obtendo os dados, e formatando adequadamente com a sintaxe KML no arquivo de saída.

Uma forma seria criar as consultas através do próprio código. Mas como você pode ainda não estar muito familiarizado com essa manipulação, preferimos neste tutorial criar as quatro consultas, uma par cada tipo de informação.

Até porque hoje veremos mais uma função, que usaremos para diferenciar elementos GSM dos elementos UMTS. Como podemos fazer isso?

Bom, a maneira mais simples seria ter um campo, por exemplo Tecnologia na tabela, com essa informação para cada linha. Uma outra forma, alternativa, é encontrar um identificador para cada tecnologia.

Na nossa tabela os elementos GSM têm seu nome iniciado por G, e os elementos UMTS, iniciados por U. Ora, assim podemos criar um campo calculado, e usar esse campo como identificador.

Vamos ver um exemplo, que deve ficar mais fácil de entender, com uma consulta que retorna as BTS GSM.

Observe a consulta qry_GE_Network_BTS_GSM. Adicionamos um novo campo TECH (1), com o valor TECH:Mid([CELLNAME],1,1).

 

O resultado da execução da consulta é mostrado abaixo.

 

Repetindo o mesmo para Setores, e depois para BTS e Setores UMTS, nosso banco de dados fica então assim:

 

Onde temos os dados através da tabela vinculada (tbl_Network), as consultas qry_* com os dados conforme mencionamos assim, a macro GE_Network_Main que gera o arquivo de saída, e o módulo mod_GE_Network_Main, com o código VBA que faz todo o processamento.

 

O código

Então vamos lá, e dar uma olhada no código VBA.

O objetivo do código é escrever o arquivo .KML, conforme mostrado a seguir de forma macro.

 

Nota: novamente, lembramos que não faz muito sentido ficarmos nos estendendo demasiadamente aqui explicando cada novo detalhe, por dois motivos principais. Primeiro, porque não é nosso objetivo ensinar programação, e sim as soluções através de exemplos. E segundo, porque todos os arquivos necessários, com os códigos completos e totalmente comentados são enviados, e qualquer dúvida que ainda persista pode ser tirada com o suporte.

 

Novos conceitos e funções

Como novidades nesse tutorial, temos a utilização da função FreeFile, que retorna um número de arquivo livre para usarmos. Atribuimos esse número a uma variável, no caso usamos a variável h.

 

Iniciamos a exploração do uso de funções, ao invés de simplesmente ir escrevendo o código linha após linha. A princípio, parece um pouco mais difícil de se entender, mas você perceberá que fica muito mais fácil e organizado, principalmente depois quando tivermos aplicações cada vez maiores.

 

Não existe mistério aqui, mas vamos seguir lendo o código, para mostrar como segue o programa. Quando executado, e chega a linha Print_Styles_GE_Network(h), a sequência pula para a função correspondente, levando o número de arquivo h. E aí vai escrevendo no arquivo, conforme determinamos, a sintaxe KML para criar uma legenda dos nossos dados.

 

Observe que a nossa imagem da legenda é o arquivo C:\Hunter\GE\icon\Legend_GE_Network.png. Só para não complicar, digitamos esse valor na função, mas uma boa prática, e na verdade uma das vantagens das funções é que elas podem se tornar bem genéricas.

Por exemplo, poderíamos ter atribuído o valor dessa imagem a uma variável, e quando chamássemos essa função, informaríamos qual o valor da mesma, como mostrado abaixo.

Print_Styles_GE_Network(h, “C:\Hunter\GE\icon\Legend_GE_Network.png”)

Mas novamente, só para não complicar, vamos deixar essas otimizações para outra hora.

Outra funcionalidade que vale a pena ser destacada é a utilização de HTML na criação do INFO Window (quando clicamos na extremidade de um setor).

 

Observe que uma vez que podemos utilizar HMTL, podemos incluir links, imagens, etc. Essa funcionalidade será mais explorada no futuro, mas já temos uma tabela com os principais dados do setor clicado.

 

Qualquer outra informação pode ser inserida nessa tabela. Inclusive a tabela pode ter mais colunas, etc.

Outra importante informação é sobre como os estilos são aplicados. Os mesmo são definidos pela tag <styleURL>. No exemplo abaixo, usamos "<styleUrl>#msn_all_blue</styleUrl>" imediatamente antes da tag <point>, assim, todos esses pontos desse placemark terão todas as suas características azuis (uma vez que definimos que o nosso estilo azul tem tudo azul).

 

Talvez esteja ficando um pouco complicado. Mas acredite, não é. O que acontece é que é um conceito novo. Com o tempo, você vai utilizando, e vai percebendo como vai ficando mais intuitivo. É como se falássemos: “A partir de agora, tudo o que eu fizer vai ser azul”. E é claro, lembre-se que você tem sempre o nosso suporte!

O resultado final é mostrado a seguir, porém é bem melhor você abrir usando o Google Earth e experimentar as diversas combinações que você pode usar.

 

Conclusão

Neste tutorial, aprendemos um pouco sobre estilos, e vimos como os mesmos nos auxiliam bastante na criação de aplicativos com uma melhor experiência de visualização. O resultado, uma análise melhor, mais rápida e rica em detalhes.

Continuamos nosso contato com o VBA, aprendendo novas funções, e também a escrever um código chamando outra funções. A princípio parece mais complicado, mas com o tempo percebemos que não verdade é mais simples, principalmente quando nossas aplicações estiverem maiores, e tivermos mais reutilizações.

Esperamos que você tenha gostado. Tire suas eventuais dúvidas postando seus comentários no Blog ou através do nosso Suporte via Chat ou E-mail.

Até nosso próximo encontro, e lembre-se: O seu sucesso é o nosso sucesso!