AutoIt - Automação de Tarefas

segunda-feira, 19 de setembro de 2011 18:05:00 Categories: Automação Programação
Rate this Content 1 Votes

Existem algumas tarefas que precisamos executar repetidamente, e com certa frequência. Algumas delas como ler e-mails ou analisar relatórios não tem outra forma: temos que fazer de forma manual e repetitiva mesmo.

 

 

Entretanto, existem algumas tarefas que podem ser realizadas automaticamente para nós, ou seja, podem ser automatizadas. E o resultado, entre outras vantagens, é um razoável ‘ganho de tempo’.

Então, vamos conhecer um programa que pode nos ajudar bastante na automação de algumas tarefas que realizamos com o computador: o AutoIt!

 

O AutoIt é uma ferramenta simples, mas nem por isso deixa de ser poderosa. Ele permite por exemplo a automação de atividades repetitivas, como instalação de programas (Equipes de TI).

E também: sabe aquela tarefa repetitiva de logar na OSS (Sistema de Gerência), baixar uma série de tabelas e dumps de dados que os Engenheiros de Telecom fazem sempre? O AutoIt permite que elas também sejam automatizadas.

O AutoIt permite a compilação de ‘Scripts’ em Programas (arquivos executáveis), que podem fazer praticamente tudo – inclusive simular a digitação ou cliques no computador.

Por essas e outras vantagens, vale a pena conhecê-lo.

 

Porque eu devo usar uma Ferramenta de Automação de Tarefas?

Como sempre, a resposta a essa pergunta depende da nossa necessidade. No nosso caso, se aplica a usuários que tenham a necessidade de executar tarefas repetidamente. Com o AutoIt, além de automatizar a tarefa, ela acaba sendo executada de maneira mais rápida do que manualmente!

Uma única desvantagem na versão atual do AutoIt é que ele não tem (ainda) um criador de GUI WYSIWYG – ‘What You See Is What You Get’, ou seja, tudo tem que ser feito no plano cartesiano. Mas enquanto os desenvolvedores não agregam essa facilidade, já dá para tirar muito proveito desse fantástico programa.

Nota: mas já existem outros programas externos que suprem essa falta no AutoIt, vamos mostrar como você também pode fazer isso.

Então, vamos testar o AutoIt? Não se preocupe, vamos acompanhar você nos primeiros passos.

 

Instalação e Licença

Acesse o site do programa, e baixe a última versão (atual) na seção Downloads.

Atualmente ele está na versão v3.3.6.1. Clique no link para baixar esta versão, e prossiga com a instalação. Não se preocupe, a instalação é bem simples como qualquer instalação padrão.

 

Site do Programa: http://www.autoitscript.com/site/autoit/downloads/

Dica: baixe a versão completa.

 

Interface do Programa

Certo, uma vez instalado o programa, podemos começar a usá-lo.

O Menu do AutoIt nos apresenta uma série de opções. O que nos interessa agora é o Editor de ‘Scripts’, então, acesse o ‘SciTE Script Editor’.

 

Essa é a tela principal do Editor.

 

Como todo Editor, temos a ‘Barra de Menus’ (1), ‘Barra de Botões de Tarefas’ (2) e ‘Barra de Status/Informação’ (4).

Mas a área mais importante, sem dúvida, é a área (3), que é onde criamos os nossos ‘Scripts’.

Aqui vale a pena fazermos uma observação: se você ainda não está familiarizado com nenhuma Linguagem de Programação, como por exemplo o VBA, não se preocupe. O AutoIt tem uma sintaxe BASIC-like, ou seja, muito parecida com a do Visual Basic, uma das linguagens mais fácil de se aprender.

Vamos apresentar a criação de uma aplicação bem simples, e em outros tutoriais daremos exemplos mais práticos, e comuns a todos. Assim, se você desejar evoluir com o uso do AutoIt para outras aplicações, não deverá encontrar muitos problemas.

Feitas as devidas apresentações, vamos lá.

 

Criando o nosso Primeiro Script

Já mencionamos aqui que não gostamos dos ‘Scripts’ do tipo ‘Hello World’, principalmente porque é o estilo de aplicação para quem está aprendendo/ensinando ‘Linguagem de Programação’. Lembre-se que esse primeiro tutorial por exemplo é sobre o ‘Programa’ AutoIt, e não sobre a sua ‘Linguagem de Programação’.

Mas hoje vamos abrir uma exceção, principalmente porque este é um programa ‘baseado’ em programação. E então, vamos criar o famoso ‘Script’ ‘Hello World’ para AutoIt.

Para criar o seu primeiro ‘Script’, navegue até o diretório onde você deseja criar o mesmo, clique com o botão direito e escolha Menu: ‘New’ -> ‘AutoIt v3 Script’.

 

Salve o mesmo com um nome qualquer, por exemplo ‘AutoIt_telecomhall_sample1_hello.au3’. Clique novamente com o botão direito, e escolha ‘Edit Script’ (1) para editarmos esse ‘Script’.

 

Quando o ‘Script’ é aberto para edição dessa forma, já temos uma área para comentários, que pode ser usada para as informações mais importantes, principalmente se esse for um ‘Script’ grande, e precisar de alguma descrição.

 

Mas como esse é apenas um exemplo, vamos remover os comentários para facilitar a demonstração.

Como toda linguagem de programação, o AutoIt tem Funções ou Comandos, que podem ter um ou mais Argumentos ou Parâmetros, Opcionais ou Requeridos.

Começamos então com a mais básica das funções, a ‘MsgBox’ (1). Veja abaixo que quando começamos a digitar, temos uma lista com as possíveis funções (parecido com AutoCompletar). Podemos digitar a função completamente, selecionar com o mouse, ou simplemente teclar ‘Enter’.

 

Em seguida, para inserirmos os Parâmetros da Função, abrimos Parênteses ‘(’.

 

Mas ainda não sabemos quais os valores esperados ou possíveis, mesmo com a ajuda da dica na tela. Então, clique na função, e pressione a tecla ‘F1’ para abrir a ajuda, diretamente na descrição dessa função.

 

Parâmetros opcionais encontram-se entre Colchetes ‘[’ e ‘]’. Hoje vamos atribuir apenas os valores requeridos.

Dependendo dos Parâmetros, a forma com que a Função trabalha é alterada.

Por exemplo, no nosso caso, se o primeiro argumento ‘flag’ for igual a ‘0’, temos uma Caixa de Mensagem com apenas um botão ‘OK’. Se esse valor for igual a ‘1’, temos botões ‘OK’ e ‘Cancel’. Lembre-se que todas essas informações podem ser acessadas facilmente pela Ajuda.

 

Vamos criar uma Caixa de Mensagem simples, por isso escolhemos o ‘flag’ igual a ‘0’.

Os parâmetros são separados por vírgula seguida de espaço, contando sempre com a ajuda na tela, mostrando qual o próximo parâmetro (em azul) (1).

 

Continuamos o preenchimento da função, atribuindo um valor específico para ‘title’ e ‘text’, respectivamente o ‘Título’ e o ‘Texto’ da nossa Caixa de Mensagem. Já podemos então, fechar o parênteses ‘)’ – todos os parâmetros requeridos já foram informados.

 

Observação: para essa função, perceba que temos dois parâmetros opcionais – ‘timeout’ e ‘hwnd’. Veja o exemplo fornecido na Ajuda dessa função, onde é usado o parâmetro opcional ‘timeout’ para fechar a caixa de diálogo em 10 segundos.

 

Tudo bem, nesse ponto temos o nosso ‘Script’ pronto, com todas as informações que ele precisa. Salve e feche o mesmo.

 

Rodando o nosso Primeiro Script

Você pode rodar um ‘Script’ através do Editor, acessando o Menu: Tools (1) -> Go (2), ou simplesmente pressionando a tecla ‘F5’.

 

Mas vamos rodar o ‘Script’ de uma forma mais comum, atráves do arquivo e/ou atalho para o mesmo. Navegando diretamente até o diretório onde você salvou o arquivo, clique com o botão direito do mouse, e escolha ‘Run Script’ (1), ou simplesmente dê um duplo clique.

 

O resultado é conforme esperado.

 

Só que temos um problema: a extensão do AutoIt (au3) não é reconhecida como um arquivo executável pelo nosso Sistema Operacional! Nota: No nosso exemplo, essa extensão é reconhecida, pois nós temos o AutoIt instalado, mas a maioria das pessoas não tem.

A solução é então, gerar um arquivo do tipo Executável (.exe), que pode ser rodado por qualquer pessoa.

Para isso, usamos as opções ‘Compile’ ou ‘Build’. Se você já está familiarizado com ‘Scripts’, já deve conhecer esses termos. Não vamos nos preocupar com a diferença entre eles agora: vamos simplesmente utilizar o comando ‘Compile’ para gerar os nossos Arquivos Executáveis.

Nota: compilar é mais ou menos reunir todas as informações necessários para que a Aplicação desenvolvida funcione corretamente, de acordo com os dados definidos no ‘Script’. Por exemplo, se o ‘Script’ acessar uma determinada biblioteca (DLL) a mesma será incorporada ao arquivo final executável.

Da mesma forma que para rodar um ‘Script’, podemos fazê-lo pelo Editor, ou pelo Windows Explorer. Fazendo diretamente através dessa segunda opção, clicamos com o botão direito do Mouse, e ao invés de escolher ‘Run Script’ escolhemos ‘Compile Script’ (1).

 

Com isso, o ‘Script’ é compilado, e nosso arquivo executável é criado (1).

 

Clique duas vezes no arquivo executável, e veja o resultado.

 

Parabéns: você criou o seu primeiro ‘Script’ utilizando o AutoIt, e compilou o mesmo gerando um Arquivo Executável – em outras palavras uma Aplicação completa, que agora já pode ser compartilhada com qualquer pessoa!

Tudo bem, é uma aplicação bem simples, como todas as aplicações iniciais de quem começa a aprender ou programar em qualquer linguagem de programação. Mas já é uma aplicação completa, e acredite, dá para fazer muito mais mesmo!

 

Outros Exemplos

As possibilidades de desenvolvimentos e aplicações - como em outras Linguagens de Programação - são praticamente ilimitadas. Em grande parte vai depender da sua necessidade, da sua vontade, e também da sua habilidade/criatividade.

Nós entendemos que ficaria mais fácil para você realmente entender o poder dessa ferramenta se mostrássemos alguns exemplos mais práticos do que apenas uma caixa de diálogo. Mas é muito difícil atender as necessidades de todos, pois a automação de tarefas é uma ação geralmente bem específica.

Ou seja, havendo interesse, recomendamos que continue através dos exemplos disponíveis na própria ajuda do AutoIt (esse exemplo que cobrimos aqui é o primeiro dos exemplos dessa Ajuda).

 

Em seguida, faça uma pesquisa na Internet sobre exemplos de ‘Scripts’, de acordo com a sua necessidade de aplicação.

De qualquer forma, futuramente publicaremos alguns tutoriais específicos com exemplos práticos de utilização do AutoIt, por exemplo para uma exportação periodica (repetitiva) de dados.

 

Referência de Linguagem

E como toda linguagem, o AutoIt tem a sua própria referência. Você pode notar que é bem completa.

  • Variables
  • Macros
  • Operators
  • Conditional Statements
  • Loop Statements
  • Obj Statements
  • User Functions
  • Comments

E também, muito bem documentada. Veja o exemplo de operadores.

 

Mas tudo isso, é claro, vai ser visto com maiores detalhes assim que você começar a usar o AutoIt – ou acompanhar nossos próximos tutoriais com exemplos práticos de ‘Scripts’.

 

Outras Características

Existem algumas outras características do programa que não cobrimos aqui.

Uma delas, e muito interessante, é que o AutoIt permite a criação de Interfaces do Usuário (GUI) – embora a princípio deva ser feito tudo através de texto. (Não se preocupe, tem como criar as interfaces de outra forma – graficamente).

 

Mas aqui, pode ter surgido uma pequena dúvida. Veja bem: mesmo o Programa AutoIt não tendo um criador de GUI interno, ele permite a criação dessas interfaces (GUI)! E até mesmo essa pequena limitação pode ser contornada, com um programa externo onde podemos criar as GUI, e em seguida aplicar ao AutoIt. Mas vamos deixar esses conceitos e explicações também para um tutorial futuro.

O objetivo hoje foi apenas o de apresentar o programa, dando uma visão geral de sua forma de trabalho, e de suas capacidades, e acreditamos que esse objetivo foi alcançado.

 

Conclusão

Este foi um breve resumo do software AutoIt, uma excelente ferramenta de apoio para automação de tarefas.

O AutoIt pode ser resumido como simples e poderoso, sendo essa sua força dependente das vontade e criatividade do usuário em extrair o melhor para execução de suas próprias atividades da melhor forma possível.

O programa é totalmente gratuito, e cada vez mais utilizado no mundo todo.

Como sempre, você pode contar com a nossa ajuda, e em breve mostraremos sua excelente aplicação em cenários práticos – como por exemplo para baixar dados diariamente de contadores e parâmetros, armazenando em local próprio para posterior tratamento.

Esperamos que tenham gostado. Até nosso próximo encontro.